15 de agosto de 2017

Repressão sexual


As pesquisas que Freud fez sobre linguagem se relacionam a um dos objetos de estudo da Psicanálise, o Inconsciente - região psíquica à qual a pessoa não tem acesso voluntário, mas, que se manifesta em sonhos, atos falhos e sintomas de neuroses e psicoses. 

O conceito já era estudado por Jean Charcot (1825-1893), com quem Freud trabalhou. O jovem austríaco, porém, concluiu que os conflitos da mente tinham origem na sexualidade.

O cientista chegou a apostar que a escola desempenharia um papel revolucionário caso abolisse ou atenuasse a função sexualmente repressora que sempre exercera. Porém, com o tempo ele passou a ver as coisas de outro modo. Mas, advertiu que o sofrimento que a Educação infligia aos alunos ao lidar com pulsões e afetos sexuais poderia ser, de certa forma, atenuado. "A pedagogia sempre ignorou a sexualidade, que se manifesta queira a escola ou não".

Freud detectou uma ampla gama de impulsos operando dentro e fora da libido (energia sexual) do indivíduo desde o nascimento. O contato corporal com a mãe - sobretudo pela amamentação - a transforma no primeiro objeto amoroso do ser humano. A descoberta de conexões libidinais e mecanismos de percepção que emergem durante os primeiros anos de vida levou Freud a elaborar a teoria do complexo de Édipo - que não é doença, como sugere o uso deturpado da palavra "complexo", mas um processo universal ao qual todos estamos sujeitos.

Simplificadamente, ele refere-se ao desejo sexual dos meninos pela mãe e à rivalidade com o pai na disputa pelo amor materno. Na menina ocorreria um processo similar, também relacionado ao vínculo inicial com a mãe. Em ambos os casos, a superação dessa fase resultaria, entre outras coisas, no redirecionamento da libido e na internalização da autoridade paterna - etapa fundamental da formação do superego, uma das três partes do aparelho psíquico formador da personalidade, juntamente com o ego e o id.

O id é a parte primal da mente, que contém forças instintivas inacessíveis à consciência. Já o superego se forma juntando aspectos de censura e ideais construídos por influência dos pais, dos educadores e dos valores civilizacionais. E o ego representa a razão, a busca de controle e equilíbrio e a tentativa de defesa contra pulsões agressivas e auto-agressivas.

Fraternos Abraços

13 de agosto de 2017

Evolução Dupla De Iniciação Sexual



Este período precoce da vida sexual normalmente encontra um fim para o quinto ano de vida individual e é seguido por um período de mais ou menos completa de latência, durante o qual são estabelecidas restrições éticas como dispositivos de proteção, contra a complexa impulsos opcional Édipo. 


No período seguinte da puberdade, o complexo sofre uma Édipo avivamento no inconsciente e avança para as suas transformações subsequentes. Apenas o período da puberdade desenvolve instintos sexuais a intensidade total. 

Mas, tanto o sentido desta evolução, como todos disposto a ela inerentes, já são determinadas pelo filho anterior, florescimento precoce da sexualidade. 

Esta evolução em duas fases, interrompido pelo período de latência da função sexual, parece ser uma característica biológica da espécie humana e conter a condição da genese das neuroses.

Psicanálise e teoria da libido. S. Freud, 1923


Abraços Fraternais

9 de agosto de 2017

Psicoterapia X Baixa Autoestima


Abordagem Psicoterapêutica baseada em
 - Os quatro pilares da autoestima.

1.0: Autoaceitação: uma postura positiva com relação a si mesmo como pessoa. Inclui elementos como estar satisfeito e de acordo consigo mesmo, respeito a si próprio, ser "um consigo mesmo" e se sentir em casa no próprio corpo;

2.0: Autoconfiança: uma postura positiva com relação às próprias capacidades e desempenho. Inclui as convicções de saber e conseguir fazer alguma coisa, de fazelo bem, de conseguir alcançar alguma coisa, de suportar às dificuldades e de poder prescindir de algo;

3.0: Competência Social: é a experiência de ser capaz de fazer contatos. Inclui saber lidar com os outras pessoas, sentir-se capaz de lidar com situações difíceis, ter reações flexíveis, conseguir sentir a ressonância social dos próprios atos, saber regular a distância / proximidade com outras pessoas;

4.0: Rede Social: estar ligado em uma rede de relacionamentos positivos. Inclui uma relação satisfatória com o(a) parceiro(a) e com a família, ter amigos, poder contar com eles e estar à disposição deles, ser importante para outras pessoas.

Os dois primeiros pilares representam a dimensão intrapessoal da Autoestima, os dois outros sua dimensão interpessoal.

O tratamento consiste em diferentes exercícios que têm por fim capacitar a pessoa a realizar cada um desses passos dos diferentes pilares.

O primeiro pilar é um trabalho preparatório dedicado à formação do Amor Próprio ou Cuidado Consigo mesmo. Que se desenvolve em três passos:

1.0.: tornar-se atento e consciente das próprias emoções, sentimentos, sensações, necessidades corporais e psíquicas;

2.0.: relacionar-se respeitosamente e amorosamente consigo mesmo;

3.0.: cuidar de si.

fontes * F.Potreck-Rose * G.Jacob

(Em particular)*Junção Terapêutica (maior benefício/resposta):
Psicoterapia X Psicanálise X Terapia Holística (técnicas de relaxamento /diversas) X Aconselhamento Terapêutico.

Um tratamento para o Corpo, Mente e Espírito!!!
COISAS D'ALMA nosso eu interior!!!

Conhecer nossas capacidades e limitações, 
nossas emoções e necessidades 
e a forma como nos relacionamos, 
é essencial para que tenhamos saúde.

"O Essencial é Viver Bem Consigo Mesmo."

Amorosamente,
Fernanda Tomaz

8 de agosto de 2017

A Teoria Da Repressão


Razão do sexo. S. Freud, 1923

A reunião destes conhecimentos teóricos com as impressões imediatas do trabalho analítico, leva a uma concepção de neuroses, que expôs amplamente seria: as neuroses são expressões de conflito entre o eu e as tendências sexuais que o eu é incompatível com a sua integridade ou requisitos éticos. 


Ele tem reprimido essas tendências; isto é, ele retirou os seus interesses e fechado seu acesso à consciência e de descarga do motor levando a satisfação. Com o trabalho analítico, tentamos fazer com que esses impulsos inconscientes / consciente, eles nos fazem sentir como forças repressivas de resistência. 

Mas, a função de repressão falha com facilidade singular sobre instintos sexuais. Cuja libido represada é criado, a partir do inconsciente, outras exutórios, retirando-se para as fases evolutivas e objetos acima e aproveitando fixações infantis, isto é, os pontos fracos da evolução da libido, para ter acesso à consciência e obter referência. 

Assim, nasceu o que é um sintoma e, portanto, no fundo, uma satisfação substituta sexual; mas, nem o sintoma pode escapar completamente a influência das forças repressivas do auto e, consequentemente, tem de passar do sonho, bem como a alterações e mudanças que tornam a personagem irreconhecível de satisfação sexual. 

O sintoma recebe, assim, o carácter de um compromisso entre produto instintos sexuais reprimidos e os instintos de auto repressores uma realização de desejos simultânea para ambos os lados, mas, também para ambos igualmente incompleta. Tal acontece estritamente com os sintomas da histeria, enquanto em obsessiva parte neurose da agência de reprimir, administra expressão mais intensa através da formação de produtos de reação (garantias contra a satisfação sexual).

Psicanálise e teoria da libido. S. Freud, 1923

Abraços

6 de agosto de 2017

Destinos Psicanalíticos Posteriores


Na medida em que atinge a Psicanálise anterior avançou pelo meu trabalho pessoal, desenvolvido ao longo de uma década, durante a qual eu era o único Psicanalista. Em 1906, os psiquiatras suíços começaram, E. Bleuler e C G Jung a participar ativamente na Análise. 

Em 1907 foi realizada uma primeira reunião dos seus apoiantes em Salzburgo. E logo ele chegou e nossa ciência jovem a ser um foco de ambos os psiquiatras e do profano. As boas-vindas que a entrada na Alemanha, sempre autoridade ansioso era certamente nada glorioso para a ciência alemã e até mesmo mudou-se como partidário como Bleuler, frio para tomar vigorosamente a sua defesa.

Mas todas as condenações oficiais não foram suficientes para parar o crescimento interno e difusão externa da Psicanálise, que, ao longo dos dez anos seguintes, para além das fronteiras da Europa e tornou-se especialmente popular nos Estados Unidos, que contribuiu grandemente colaboração de J. Putnam (Boston), Ernest Jones (Toronto e Londres), Flournoy (Genebra), Ferenczi (Budapeste), Abraham (Berlim) e muitos outros. 

O declarou anátema sobre a Psicanálise, mudou seus seguidores a participar de uma organização internacional, que no ano em curso (1922), realizada em Berlim seu oitavo Congresso privada e hoje inclui grupos locais de Viena, Budapeste, Berlim, Holanda, Zurique, Londres, Nova York, Calcutá e Moscou. Nem a guerra interrompeu essa evolução. 

Em 1918-1919 Dr. Anton von Freund (Budapest) fundou a publicação Psychoanalytischer Internationaler Verlag, editora de livros e revistas dedicadas à Psicanálise. Foi criado em 1920 pelo Dr. Max Eitingon, o primeiro "Psicanalítica Policlínica" dedicada aos pobres tratamento de pacientes nervosos. Minhas traduções de grandes obras em francês, italiano e espanhol testemunharam para o despertar do interesse pela Psicanálise também no mundo romântico.

De 1911 a 1913 eles desviaram dois ramos da Psicanálise, claramente destinados a mitigar o que constituiu um obstáculo. Um, iniciada por C G Jung, tentando satisfazer aspirações éticas, despojado do complexo de Édipo de seu valor real, por meio de uma transmutação simbólica e negligenciada na prática a descoberta do período infantil esquecido, que poderíamos chamar de "pré-histórico" . 

O outro, cujo iniciador foi Alfred Adler, de Viena, apresentou vários fatores da Psicanálise com nomes diferentes (por exemplo, a repressão sexualizada como "protesto masculino"), mas, fôra dispensado com os instintos inconscientes e sexual e tentou se referir tanto o caráter e a evolução da neurose à vontade de poder, o que tenderia a parar por sobrecompensação os perigos nascidos de inferioridade orgânica. 

Nenhuma dessas filiais, construído como um sistema, tem de forma duradoura influenciado a evolução da Psicanálise; de Adler foi logo claro que não tinha nada a ver com a Psicanálise que queria para substituir.
Psicanálise e teoria da libido. S. Freud, 1923

Saudações

Narcisismo


Sua mais importante progresso teórico tem vindo a aplicar a teoria da libido / repressor. Ele veio para representar o mesmo que um depósito -chamado libido narcisista, que deixam um monte de objetos e libido que pode devolvê-los. 

Usando esta representação foi possível alcançar a análise do ego e conduzir diferenciação clínica de psiconeurose em neurose de transferência e distúrbios narcisista. 

No primeiro (histeria e neurose obsessivo) uma medida da libido, tendência para transferir para outros indivíduos, que a libido é usado para praticar o tratamento analítico disponível. 

Perturbações Narcisista (demência precoce, paranoia e melancolia) são caracterizados, no entanto, por retração de objetos de libido e são, portanto, acessível somente a terapia analítica. 

Esta falha terapêutica não impediu, no entanto, o ato análise sobre a compreensão mais profunda das doenças atribuídas a esta psicose.

Abraços Fraternais

3 de agosto de 2017

Raiva

A raiva também pode ser um estado de ESPÍRITO.

Para superar ataques de raiva, é necessário CONQUISTAR A PRÓPRIA MENTE.

Recorrer a exercícios e buscar ajuda holística, propicia Bem Estar.

Yoga, Reiki, Acupuntura e Terapia Corporal, proporcionam grandes benefícios;pois liberam endorfinas do cérebro,substâncias conhecidas como hormônios da felicidade.

Esta ajuda precisa ser praticada pelo menos três vezes na semana no início do tratamento (30 minutos), depois pode ser mais espaçada.

Quando sentir-se melhor com você mesmo, gradativamente irá superar esse sentimento doloroso do seu EU INTERIOR.

Estas endorfinas entram rápido na corrente sanguínea; assim propiciando o BOM HUMOR!

A frustração é um dos principais motivadores da raiva, e de acordo com a OMS * Organização Mundial da Saúde, desde de 1.971, a raiva passou a ser um problema social, tendo um crescimento de 70% na população em todo o mundo.

Pode tornar-se um problema crônico, resultando em violência verbal, violência doméstica e atos.

Procure apoio com um profissional da área Holística / Psicanalítica!
Profissional Capacitado para esses fins.

Amorosamente,
Fernanda Tomaz